• Ester Chapiro

Autoestima na maternidade


Quando pensamos em autoestima relacionamos logo ao quanto estamos satisfeitas com a nossa aparência física.


Feliz da mulher grávida e no pós parto que gosta de como se vê no espelho.

Nossa autoimagem fica mesmo prejudicada com tantas mudanças por dentro e por fora do corpo, com tanta influencia dos hormônios agindo e provocando variadas sensações, contudo é até possível se achar uma gravidinha simpática, mas essa imagem está muito longe de ser a de uma mulher atraente. Não é mesmo?


Não há nada de errado nisso, você está GRÁVIDA! Porém, o difícil é aceitar que seu bebê nascerá e seu corpo e sua vida não voltarão nunca mais, a ser como antes...


A maioria das mulheres pensam que agora são MÃES e por este motivo possuem uma causa muito nobre e maior que sua própria existência. Muito louvável este instinto e as maravilhas da maternidade, entretanto é aí que mora o perigo: cuidado para não se perder de você mesma.



Diante desse contexto, vale lembrar que a autoestima vai muito além de se gostar fisicamente, se achar bonita ou feia. Esta expressão tem a ver com como nos percebermos em vários aspectos e de como usamos nossas forças para nos relacionarmos com o mundo, para produzirmos, realizarmos, evoluirmos e brilharmos. Ela é o ingrediente indispensável para uma existência plena, pois nenhum julgamento é tão importante quanto o que fazemos de nós mesmos, assim sendo, desenvolver um bom conceito a cerca de nós mesmos é estabelecer a convicção de que somos merecedores de felicidade.


Faça uma autoavaliação e perceba como anda a opinião que você tem de você mesma. Isso vai requerer uma boa dose de autoconhecimento.

Quais são seus pontos fortes?

O que você precisa melhorar?

Qual é o nível do seu desejo de melhorar?

Tem alguém que pode te ajudar?

Deste modo, quanto mais elevada for a sua autoestima, mais preparada você estará para lidar com as adversidades, para ter êxito em suas empreitadas e também serão muito maiores as possibilidades de fazer e manter relações duradouras e saudáveis.


Conheço mulheres que pensam que assumir a maternidade significa abrir mão de si para servir plenamente a esta condição. Selecionei dez frases que ouço com frequência de mulheres mães e quero que você responda com quantas destas frases você se identifica.

Desde que me tornei mãe:

  1. não tenho mais tempo pra nada;

  2. nunca mais sai a dois;

  3. não consigo conversar com uma amiga;

  4. não compro mais nada pra mim;

  5. não me cuido;

  6. me arrumo pouco;

  7. não vou ao cinema;

  8. não leio mais;

  9. não trabalho mais;

  10. não estudo mais...


O resultado é certeiro, se você se identificou em mais de quatro afirmativas, sua auto estima pode estar bem comprometida. Ligue o sinal de alerta e parta para a ação, já!


É um grande erro, se abandonar, você precisa de saúde física e mental sem isso, não terá disposição nem para ser boa mãe. Já parou pra pensar nisso?


O equilíbrio é sempre a palavra chave, e posso garantir que é possível alcançá-lo. O primeiro passo é pensar sobre si mesmo, identificar seus anseios, reconhecer como seus sentimentos e emoções estão agindo sobre você e por fim, utilizar toda sua inclinação de se aceitar ou mesmo de se perdoar, para resgatar sua autoestima.


Seja boa pra você, abandone os sentimentos de culpa, medo, cobrança, vitimização e tudo que for destrutivo.


Procure sempre cultivar e nutrir pensamentos construtivos e saudáveis eles têm impacto direto em nossa vida, invista em bons hábitos para colocá-los em prática, logo você poderá desfrutar dos resultados. Sinta-se segura, ganhe autoconfiança, experimente, não tenha medo de errar, você sempre terá ânimo para recomeçar.

Seja grata pelo que você tem, o que conquistou e o que ainda pode conquistar. Arrume tempo pra você, se cuide se goste e se curta. Descubra suas forças e empodere-se delas para assumir o papel que você deseja.

Saia já da zona de conforto, invista em você e em tudo que possa elevar sua autoestima a cada dia, acredite em você e na sua potencialidade infinita de promover realizações bem sucedidas e de ser muito mais feliz.



Gostou do conteúdo?


Deixe aqui seus comentários, eles são muito valiosos para contribuir para a complexidade deste tema.


Sou Ester Chapiro- Psicopedagoga e Gestora de Desenvolvimento Humano


contato@centraldeprofessores.com.br




  • LinkedIn Social Icon
  • Facebook Social Icon
  • Mente Aberta

Rua da Conceição, 105 sl. 401- Centro  - Rio de Janeiro

© 2016 por CENTRAL DE PROFESSORES